Alfabetização digital afasta a solidão e ajuda a combater doenças da terceira idade

0
456

idoso-98anos-ipadSilver Surfer (surfista prateado) é o termo elaborado pelo European Interactive Association (EIAA) para denominar a legião de navegadores que passaram dos 60 anos, em referência aos cabelos grisalhos dos internautas dessa faixa etária. É assim que José Hishida se autodenomina, depois de fazer um curso de informática para a terceira idade. “Eu me sentia um analfabeto digital e, depois que quebrei a resistência, passei a ler jornais, jogar paciência, pesquisar preços e até fazer investimentos pela internet”, afirma. Para ele, a informática tornou a vida mais ativa, divertida e saudável.

Um estudo recente da Universidade da Califórnia (EUA) mostra que, depois da experiência do primeiro contato com o computador, pessoas com idade entre 55 e 78 anos mostraram maior atividade nas áreas da linguagem, leitura, memória, capacidade visual e tomada de decisões. “É uma forma de estimular os neurônios e evitar sintomas de doenças comuns na terceira idade, como o Alzheimer, por exemplo”, explica a neurologista do Hospital Vita Batel, doutora Ester London.

computer-elderly_1722300cOutra pesquisa, realizada na Universidade do Alabama (EUA), também destacou os efeitos positivos do uso da informática, desta vez para combater a depressão. Quase um terço dos entrevistados apresentaram menos probabilidade de serem diagnosticados com depressão, em comparação com os não-usuários.

Hoje, o número de pessoas acima dos 55 anos que acessam a web de casa vemcrescendo progressivamente e, segundo dados do Ibope, há mais de 1,2 milhão de usuários nessa faixa etária no Brasil. A maior dificuldade é o aprendizado e a iniciação no mundo digital. O que parece tarefa simples para os plugados é algo bastante complexo para os idosos – que ficam desmotivados por não saber usufruir dos benefícios da tecnologia.

idosa-no-computador-123rf-230Quem não nasceu na era digital não possui tanta facilidade em manusear os equipamentos, explica o diretor do Núcleo de Aprendizado Profissional e Tecnológico (Naptec), Píndaro Cancian. “Quando tentam utilizar o computador, por exemplo, às vezes se deparam com a dificuldade em ligá-lo, mexer no mouse e memorizar os caminhos para encontrar pastas ou navegar na internet”, revela. “O importante é acabar com o receio do manuseio da máquina e desvendar a amplitude da informática”, destaca Cancian.

Ademis Baglioli, 70 anos, conta que muita coisa mudou desde que fez o curso. “Eu não sabia nada e meus filhos não tinham muita paciência para me ensinar. Sempre fui muito ativa, então também queria aprender algo novo e o curso abriu uma janela em matéria de comunicação e aprendizado, de vivência, de amizades”, relata.
Sobre o Naptec  – Com dois anos de atuação no mercado, oferece cursos rápidos, de formação, in company e personalizados. Web, Java, pacote Office, design gráfico e fotografia são algumas das opções. Entre os objetivos da escola estão a excelência no atendimento, com os professores qualificados e infraestrutura e equipamentos de última geração. Dia 28 de agosto, o Naptec abre mais duas turmas de Informática para Terceira Idade, em Curitiba (PR). Mais informações pelo telefone (41) 3093-9898 ou pelo e-mail contato@naptec.com.br.

[envira-gallery id=”10317″]

Fonte: http://www.paranashop.com.br/colunas/colunas_n.php?op=especial&id=31723