Cirurgia de catarata reduz riscos de fraturas entre idosos

0
1041

Catarata (1)Estudo publicado recentemente no Journal of American Medical Association revela que pessoas com mais de 65 anos que passaram por cirurgia de catarata estão

consideravelmente menos propensas a sofrer fratura do fêmur em relação àquelas que não se submeteram ao tratamento cirúrgico da visão. “A visão desempenha um importante papel no equilíbrio e na estabilidade de um paciente idoso. Tanto que a catarata é considerada a causa mais comum de fraturas relacionadas a problemas visuais, sendo responsável por 49% dos casos”, diz Victoria Tseng, da Brown University, nos Estados Unidos.

Na opinião do doutor Renato Neves, cirurgião-oftalmologista que está à frente do Eye Care Hospital de Olhos, em São Paulo, além da catarata, as doenças oculares que mais comprometem a estabilidade e deixam o paciente mais vulnerável a quedas e fraturas são a degeneração macular relacionada à idade (DMRI), os problemas refrativos e o glaucoma.
“Pessoas com mais de 65 anos, principalmente aquelas que têm propensão a quedas ou sofrem de osteoporose – doença que enfraquece os ossos e aumenta a incidência de  fraturas –, devem redobrar os cuidados com a visão e passar por exames oftalmológicos com regularidade. Idosos que moram em sobrados ou casas de repouso que tenham escadas formam um grupo de alto risco”, diz Neves.
Consulta-idosaNo Brasil, pelo menos metade da população de idosos sofre de catarata, doença em que a lente do cristalino vai ficando opaca e esbranquiçada, reduzindo drasticamente a visão. A cirurgia para remoção da catarata, seguida do implante de lentes intraoculares (LIOs), não só possibilita ao paciente voltar a enxergar, como ainda rejuvenesce a visão e aumenta a segurança na locomoção.
“A nova geração de lentes intraoculares dispensa o uso de óculos depois da cirurgia. Além de ser um procedimento seguro, as lentes intraoculares implantadas depois da cirurgia têm a função de ajustar a visão conforme a necessidade do momento”, diz o especialista. As lentes mais avançadas podem ser multifocais ou acomodativas, permitindo focar  a imagem nas diferentes condições e dispensando o uso de óculos para perto ou para longe em 98% dos casos.
“Essa cirurgia é a única na Medicina em que o paciente fica melhor do que era antes de mesmo de manifestar a doença. É como se a pessoa voltasse a enxergar com a mesma nitidez de quando tinha 20 e poucos anos”, diz Neves. O especialista afirma que a catarata avança aos poucos e que o paciente pode sofrer alterações na visão durante meses ou anos sem se dar conta da gravidade da questão. Daí a importância de pessoas com mais de 40 anos realizarem exames anuais de fundo de olho.
Na fase inicial da doença, o paciente sente mais facilidade para enxergar de perto. Mas essa sensação logo se transforma em maior sensibilidade à luz e, principalmente, aos reflexos e brilhos à noite. A visão pode parecer embaçada, dando a impressão de que as cores estão sempre desbotadas. “Esse avanço progressivo e a imprecisão visual impedem a pessoa de realizar tarefas simples, como ler, dirigir, fazer a barba ou até mesmo cozinhar. Por isso a Ciência se apressa cada vez mais em garantir técnicas que reduzam as ocorrências de quedas e fraturas, proporcionando melhor qualidade de vida para quem já está na melhor idade”, diz Renato Neves.
catarata[large]
Fonte: Dr. Renato Neves, médico oftalmologista, diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos (SP) – www.eyecare.com.br