A receita vencedora dos atletas da Terceira Idade

0
913

Idoso-Correndo-Portal-Amigo-do-IdosoSedentários que começaram a praticar exercícios com regularidade depois dos 50 anos mostram que é possível enfrentar a terceira idade com vigor físico e qualidade de vida.

SÃO PAULO – Daphinis de Lauro, de 88 anos, Mitiko Nakatani, de 80, e Ivone Ramos, de 70, são bisavôs saudáveis e de bem com a vida. Eles trilharam caminhos parecidos até atingir um vigor invejável para pessoas da terceira idade – abandonaram o sedentarismo depois dos 50 anos, abraçaram uma atividade física e não pararam mais. Daphinis participa de campeonatos de natação há 13 anos. Mitiko, uma celebridade entre os corredores de rua, disputa provas há 23. Ivone começou a treinar natação 18 anos atrás, mas nos últimos 2 migrou para as corridas de rua. A receita dos atletas bisavôs inclui uma rígida rotina de treinos cinco vezes por semana, alimentação controlada e uma constatação: nunca é tarde para começar.

Razões não faltam para cair na malhação. Estudo divulgado neste ano pela Universidade Harvard, nos Estados Unidos, indica que o sedentarismo estava relacionado a 5,3 milhões de mortes no mundo em 2008, pelo fato de ser um facilitador do desenvolvimento de diabete, hipertensão, obesidade e até determinados tipos de câncer. O número representa 9% das mortes anuais causadas por doenças crônicas não transmissíveis do planeta, perdendo apenas para o tabagismo.

Classificado há dez anos como doença pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o sedentarismo tem impacto maior na terceira idade. “O envelhecimento é um processo natural, mas é preciso se preparar com antecedência”, afirma Sandra Matsudo, especialista em medicina esportiva da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e autora de vários trabalhos que relacionam envelhecimento e atividade física.

corrida-da-Terceira-Idade-Portal-Amigo-do-Idoso

Segundo Sandra, o corpo começa perder o vigor a partir dos 30 anos. Entre os 50 e 60 anos, a perda de massa muscular é acentuada, principalmente nos membros inferiores, afetando as articulações e o equilíbrio. A atividade física nessa faixa etária fortalece o sistema cardiovascular e combate a osteoporose. “Praticar exercícios é como fazer uma ‘poupança’ da saúde do corpo”, diz.

A maioria, porém, só passa a se mexer quando as doenças crônicas começam a se manifestar. Foi o que aconteceu com Mitiko. Até os 54 anos, ela vivia à base de remédios e calmantes para aplacar as dores nas costas e as crises de hipertensão que tornavam sua vida um inferno. Por recomendação médica, começou a caminhar. No início, uma volta no quarteirão por dia. Aos poucos foi aumentando a distância até que alguém sugeriu que começasse a correr. Indicada por um sobrinho, passou a treinar com o técnico Wanderlei de Oliveira, um dos maiores especialistas do País. Mitiko tinha na época 57 anos. “O efeito mais visível no início foi a melhora da autoestima”, diz Oliveira. “Ela ajudou a derrubar o mito de que a idade é um fator limítrofe para a prática de atividade física.”

Com acompanhamento, ela entrou no circuito de provas de pista e de rua (3 km, 5 km e 10 km) que a credenciou a voos mais altos. Das três maratonas internacionais que disputou, venceu duas na sua faixa etária. Seu currículo inclui o bicampeonato mundial master, dez vitórias consecutivas na tradicional prova da São Silvestre e o recorde brasileiro dos 800, 1.500 e 3.000 metros. Além de treinos técnicos, Mitiko – um casal de filhos, três netos e um bisneto – faz musculação e hidroginástica. No ano que vem, ela pretende abocanhar o tri do mundial master, que será disputado no Brasil.

idoso-correndoIvone tinha 51 anos quando começou a praticar exercícios, também por necessidade. Mas aproveitou o conselho do médico vascular de incluir a natação no tratamento de varizes para lançar um desafio a si própria: o de aprender a nadar. “Queria usar a piscina de meu filho e não podia, pois era funda”, conta. “Fiquei um ano tendo aulas num tanquinho. Aprendi e, quando tive segurança, parti para o treinamento sério.”

Em pouco tempo, Ivone passou a competir em torneios master de natação, acumulando vitórias e recordes pessoais durante 17 anos. Sua rotina incluía musculação e esteira. Em busca de novos desafios, decidiu trocar a natação pela corrida de rua. Em dois anos, já completou cinco meias maratonas – na última delas, há um mês, foi a campeã na sua faixa etária. Mãe de um casal de filhos, Ivone tem cinco netos e dois bisnetos. Aparenta bem menos a idade que tem, treina seis vezes por semana – dois deles na piscina – e reclama que é a única da família que pratica exercícios. “Falei para o meu filho, que acaba de fazer 52 anos, que comecei na idade dele. Ainda dá.”

Carga
Daphinis praticou atletismo na juventude, mas caiu no sedentarismo depois que começou a trabalhar como autônomo. Ele só saiu da mesmice aos 56 anos, quando passou a nadar à noite numa academia perto de casa, sem maiores pretensões ou acompanhamento. Aos 75, mudou de bairro e de academia, matriculando-se na Competition, onde foi estimulado a treinar sob supervisão de especialistas.

Ele admite que enfrentou preconceito de amigos próximos, que consideravam a carga de treinos pesada para sua idade. “Falavam que fazer exercício é muito chato, uma perda de tempo para quem é velho”, diz. Daphinis lamenta que todos eles já tenham morrido. “Eles se foram e ainda estou aqui.”

atletismo 3Disciplinado, Daphinis acumulou mais de 50 medalhas em provas e ainda conseguiu arrastar a família para a prática de exercícios. A mulher, de 84 anos, nada e faz musculação. O mais velho dos cinco filhos, hoje com 64 anos, compete em provas de 3.000 m e 5.000 m em mar aberto. Além deles, uma nora, um neto e uma neta também malham na mesma academia. E espera um dia acompanhar os três bisnetos. “Já fiz proposta de me mudar para cá”, brinca. Daphinis reclama não ter ninguém de sua faixa etária (85 a 90 anos) disputando provas master de natação. “Meu adversário sou eu”, diz.

Invasão nas academias
Um levantamento da Associação Brasileira de Academias (Acad Brasil) mostra que 30% dos frequentadores têm mais de 60 anos de idade – o equivalente a um exército de 1,8 milhão de pessoas. Há dez anos, essa proporção não chegava a 5%. No início da década, de acordo com a Acad Brasil, a hidroginástica era a atividade mais procurada por esse público. Aos poucos, pilates e alongamento passaram a ter seguidores.

p

Nos últimos cinco anos, porém, a procura pela musculação cresceu de forma desproporcional, por conta da orientação médica. Esse boom surgiu depois que um estudo do American College of Sports Medicine concluiu que a atividade com sobrecarga pode conter o avanço da osteoporose. / COLABOROU MARIANA LENHARO

RECOMENDAÇÕES
– Mexa-se: qualquer exercício é melhor que nada. Não espere surgir inspiração ou arrumar tempo para sair da letargia.

– O que fazer: a melhor atividade física é a que lhe dá prazer e entra mais fácil na sua rotina.

– Pacote completo: não adianta iniciar uma atividade física regular sem mudar os hábitos alimentares e de vida.

– Doenças crônicas: se você é hipertenso, diabético ou tem cardiopatia, é recomendável conversar com o médico antes de sair malhando.

– Evite abusos: prefira caminhada, musculação ou natação no início, atividades que estimulam os músculos e o sistema cardiovascular.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,a-receita-vencedora-dos-atletas-bisavos,927836,0.htm