Doutores da Alegria trazem projeto a SP

0
1244

Desenvolvido no Rio, o Plateias Hospitalares chega a três hospitais da capital paulista

9a0f7ccb-69fb-47ec-a13d-c85613a2645eNão são muitos os que conseguem encarar o hospital como um espaço de vida. Mas, há 21 anos, uma trupe de cerca de 45 narigudos prova que o picadeiro pode estar em unidades de saúde.

Agora, os Doutores da Alegria se renovam e implementam um novo projeto, o Plateias Hospitalares, que estreou na semana passada em São Paulo, no Instituto da Criança (ICR) do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP). Além do atendimento leito a leito a crianças, os mestres circenses buscam uma ação mais focada na sensibilização dos profissionais de saúde, da equipe administrativa e dos familiares dos pacientes.

01112010_f_011A utilização de artistas com formação cênica e o desenvolvimento de oficinas com comunidades no entorno do hospital são alguns dos diferenciais do projeto. “Concebemos o Plateias no Rio, mas só agora estamos desenvolvendo ele em São Paulo. Nosso primeiro piloto foi o ICR”, diz um dos coordenadores do grupo, Fernando Escrich. O projeto passou ontem pelo Hospital de Pedreira e no dia 26 vai ao Hospital do Mandaqui.

O terapeuta ocupacional Aidé Kudo, do ICR, afirma que o trabalho dos doutores diminui o estresse também dos profissionais de saúde. “É um processo de sensi

Tatiane Sanches, de 33 anos, há nove trabalhando no ICR, conta que os palhaços sempre propõem uma conversa prévia com os enfermeiros. “Eles querem saber como estamos e conhecer mais sobre os pacientes internados”, afirma.

A auxiliar de serviços Joana Darques, afirma que, com os doutores, desenvolveu uma técnica para lidar com situações conflituosas no relacionamento com os familiares dos pacientes. “Dependendo do quadro da criança, as mães ficam muito nervosas e tratam a gente mal. Nessas horas já consigo ficar mais controlada e acalmá-las. Depois, elas nos pedem desculpa. Essa paciência aprendi com eles.”bilização que eles acabam deixando com a gente. Quando atinge os profissionais, o efeito no paciente é maior.”

image

O processo de humanização ganha cada vez mais importância dentro das universidades. “A ética e a humanização no atendimento é um dos focos recente da grade curricular da faculdade”, fala o estudante de Medicina da USP Felipe Bernardes, de 24 anos.

Crianças. O momento da visita é sempre muito aguardado. Uma das fãs da trupe tem apenas 1 ano: Ritinha, a xodó dos médicos residentes do ICR. É incrível como sua seriedade sai de cena ao perceber a presença do grupo. Basta a visita dos doutores De Dérson, especialista em besteriologia, Daduvida, que nunca chega a conclusão alguma, e Bonito Zequim, que canta quase completamente afinado, para Ritinha mudar de expressão.

10502129_10152602786557009_7058872598920315493_n“Eu adoro quando eles vêm. Ela presta muito atenção e dá muita risada”, fala a mãe da garota, Tamires Ramos, de 23 anos. Com o colorido e a alegria dos palhaços, a pressão no crânio da pequenina – ela é diagnosticada com hidrocefalia -, tende a diminuir, o que alegra e muito a mãe.

Jean Henrique, de 4 anos, é outro caso de mudança de comportamento quando se depara, por exemplo, com o doutor Juca Pinduca, especialista que dança em todos os ritmos.

Enquanto seu irmão gêmeo veio ao mundo sadio, ele chegou com problemas neurológicos, fisiológicos e ortopédicos, conta a mãe, Jaqueline Rodrigues, de Osasco (SP). Segundo ela, a ação dos senhores do riso alcançou uma proeza. “Antes o Jean era muito molinho e não tinha força para se expressar. Hoje ele consegue falar a palavra ‘vô’ e bater palmas. Parte disso tem a ver com a apresentação dos palhaços.”

MG_4538

Conforme a pediatra Gabriela Blay, “os doutores conseguem desesteirasse também a família. Com crianças morrendo todos os dias, eles amenizam esse ambiente um tanto pesado”.

“Não somos donos de uma linguagem, mas podemos dizer que desde 1991 somos fonte de inspiração para muitos”, avalia Nereu Afonso, ator que prega a humanização como ferramenta para melhoria das relações entre paciente e equipe médica.

Fonte:http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,doutores-da-alegria-trazem-projeto-a-sp,948243,0.htm