Mercado deve investir em idosos

0
685

Apesar da Paraíba ter a terceira maior taxa de pessoas acima de idosos (acima de 60 anos), o nicho continua ainda mal explorado em termos de negócios. Para se ter ideia, não há uma franquia no Estado voltada para este público, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF).

A população idosa cresceu 16,2% na Paraíba entre 2009 e 2011, passando de 432 mil para 502 mil, com 13,1% do total de paraibanos acima dos 60 anos. Em 2009, o Estado ocupava o quinto lugar do país com maior percentual de pessoas com 60 anos ou mais. Agora, está em terceiro neste ranking.

O número de idosos no Estado foi apontado pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2011), divulgada em setembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

MERCADO ABERTO
O Estado está envelhecendo e os serviços especializados para este público são cada vez mais uma necessidade urgente. Para a analista técnica do Sebrae, o perfil do idoso mudou.

“Nossa população envelhece cada vez mais e o perfil do idoso mudou. O número de pessoas da terceira idade que prefere ficar em casa descansando vem minimizando muito. Eles estão cada vez mais ativos, e um leque de oportunidades de negócios se abre para este público, mas, na Paraíba, este é um mercado que está em aberto”, afirmou Nelijane Ricarte.

Segundo ela, há um campo vasto que pode ser investido para este público e já apresenta destaque no Estado em campos como o de home care (cuidadores e acompanhantes de idosos), cursos de capacitação como o de línguas, no setor da ginástica laboral e hidroginástica, que são explorados por algumas academias, no ramo do lazer e muitos outros. “Ainda temos uma demanda boa de aposentados querendo se inserir no mercado. Hoje as pessoas se aposentam com toda disposição física e conhecimento em muitas áreas. Então elas querem continuar atuando”, disse Nelijane.

O secretário de Turismo de João Pessoa, Roberto Brunet, confessou que não existe no setor um produto segmentado para as pessoas com idade a acima de 60 anos. “Percebemos que este pessoal tem procurado cada vez mais João Pessoa como destino. Ainda não temos um produto segmentado para o idoso, mas estamos nos preparando. Acredito que, no futuro, o que vai beneficiar este segmento seja o projeto da Orla”, frisou.

O presidente da Federação dos Aposentados, Pensionistas e Idosos da Paraíba, Jurandir Pereira da Silva, disse que não só a Paraíba, mas o Brasil ainda precisa investir mais no setor. “Em 2025 vamos ter mais idosos do que crianças no país e precisamos de uma política para esta população. Na Paraíba, seria importante a criação de um Centro de Convivência para que as pessoas mais velhas possam desenvolver suas aptidões e talentos reprimidos”, comentou.

Em João Pessoa, o único setor que ainda recebe elogios dos consumidores da terceira idade é a área de alimentos da ‘linha saudáveis’ oferecida pelos supermercados. “Compro sempre produto diet, como iogurte, leite, queijo ricota e adoçantes, e não tenho dificuldade em encontrar estes alimentos nos supermercados que frequento”, afirmou a aposentada Isaura Alves, 73 anos.

Já o presidente da Associação Promocional do Ancião, Fabiano Vilar, também disse que está satisfeito com os produtos que costuma comprar nos supermercados da cidade. “Na associação temos 98 idosos e, quando faço compras, tanto para eles quanto para minha casa, sempre encontro com facilidade o que procuro. Não tenho do que reclamar. O que sempre consumo é leite”, contou.

Fonte: Jornal da Paraiba

Se você gostou dessa publicação, por favor curte, compartilhe, divulgue;ajude-nos a construir este projeto