Aos 60 anos, Eliane Giardini fala de beleza e diz que é cantada na rua

0
1611

 Aos 60 anos, Eliane Giardini, a Ordália de “Amor à Vida”, é o ícone de muitas mulheres: bem-sucedida na carreira, sabe lidar bem com a idade – sem perder beleza e sensualidade para otempo -, e ainda carrega aquele ar desencanado de quem já aprendeu a se estressar só com o que é importante.

É assim na hora de falar que nunca se achou bonita ou sensual, e contar como se surpreendeu ao ter que emprestar esse lado para personagens como a Muricy, de “Avenida Brasil”, ou a Dona Patroa, de “Renascer”, entre outros. Ou na hora de assumir que, quando precisou, fez plástica, sim. Mas hoje prefere o pilates, a dieta e a análise, já que, segundo ela, gente bonita, é gente com cabeça boa.

Foi nesse clima descontraído que a atriz estrelou um ensaio de moda para o EGO, em meio ao cenário charmoso do hotel La Suite, na Zona Sul do Rio de Janeiro, e falou sobre o que é ser mulher na terceira idade em pleno século XXI.  Dona de um estilo clássico, Eliane vestiu branco, tendência do Inverno 2013, e mostrou algumas combinações possíveis para todas as idades.

Você acabou de sair de ‘Avenida Brasil’ e já está em ‘Amor à Vida’. Emendar um personagem no outro não cansa?

Demorei a começar na TV. Tenho só 20 anos de carreira no veículo. Se for pensar bem, é pouco. Então, tenho uma fome, uma gana de fazer, e não consigo resistir porque os personagens são sempre bons. Não sabia que iria fazer “Amor à Vida”. Terminei “Avenida Brasil” e ia dar uma descansada para depois engrenar “Joia Rara”, que é a próxima novela das seis. Mas nem deu tempo. Mas isso não me cansa. Estar fazendo o que quer, o que gosta, mantém a gente viva.

Galeria - Eliane Giardini (Foto: Marcos Serra Lima/EGO)
Atriz é adepta do pilates e da análise para manter tudo em ordem (Foto: Marcos Serra Lima)

A idade traz medo de perder bons papéis?

Não sei o que é esse medo porque nunca tive essa vivência. Nunca fui mocinha, protagonista. Comecei na TV aos 40 e estou com 60 anos. Comecei com bons papéis coadjuvantes e é isso que acho que estaria fazendo se tivesse começado com 20 anos. Acho também que com a idade os papeis bons diminuem, mas os bons atores também (risos).

Como é lidar com o sucesso?
Em qualquer profissão não adianta só chegar lá, o mais difícil é se manter. Quando uma pessoa faz 30, 40 anos de sucesso, você percebe um esforço em vários níveis. Não dá para fazer sucesso em uma área e ter a cabeça ruim em outra. Sou uma pessoa com a cabeça muito oxigenada, que não fica presa ao passado. Posso me reinventar o tempo todo. Mas é tudo fruto de trabalho, pilates, análise e boa alimentação.

Envelhecer já te trouxe algum tipo de angústia?
Traz angústia o fato de você pensar que sua pela já não é a mesma de 20 anos. É triste (risos). Ao mesmo tempo, vivemos outra época. Quando era garota, imaginava que com 60 iria estar de bengala. Hoje, ganhamos essa extensão de vida. Não podemos nada contra o imponderável, mas podemos manter a máquina azeitada.

E como você faz isso? Quais seus cuidados de beleza?
Vou ao dermatologista, compro os creminhos, me empolgo, mas em um mês deixo de lado (risos). Se precisar, faço uns procedimentos. Mas pouco. Só arrumar uma coisinha aqui, a outra ali. Mas nada que descaracterize.

Galeria - Eliane Giardini (Foto: Marcos Serra Lima/EGO)
Sensual em qualquer idade (Marcos Serra Lima/EGO)
 Já fez plástica?

Fiz no abdômen, cinco anos depois que a minha segunda filha nasceu. E fiz um lifting há uns 10 anos. Não tenho problema nenhum com isso. Mas acho que chega uma idade que tem que parar, senão fica esquisito. Ainda mais para o ator. Não faço botox porque acho que engessa muito. No mais, também tento manter meu peso. Gordura envelhece muito.

 E no dia a dia, o que gosta de usar?

Sou muito básica, gosto de peças mais clássicas, retas. Não tenho frescura para me vestir no dia a dia.

Suas personagens têm essa pegada sexy. Como lida com essa sensualidade?

Isso é uma coisa que eu descobri com a carreira. Nunca me achei uma pessoa bonita. Eu me achava normal. Achava que meu forte era meu talento como atriz. Mas quando fiz “Renascer”, o Benedito Ruy Barbosa mostrou a Dona Patroa para mim, ele enxergou essa sensualidade e começou a explorar. Era uma mulher que ficava de camisola o tempo todo, que descobria a sexualidade. Isso aconteceu ao mesmo tempo para mim. Profissionalmente, claro (risos). Descobrir que podia fazer esse tipo de personagem até me assusta. Nunca me enxerguei assim.

Galeria - Eliane Giardini (Foto: Marcos Serra Lima/EGO)
Atriz conta que a vida sexual sofreu mudanças com a chegada da idade (Foto: Marcos Serra Lima)

 Como a sensualidade das personagens é transportada para a sua vida?

Já tive até “Playboy” me procurando! Falei: “Vocês estão loucos?”(risos). Foi na época de “América”, quando fiz a Neuta. Mas para mim não faz sentido nenhum posar nua. Nunca tive esse tipo de desejo. Se tivesse, faria. Gosto de fazer cenas sensuais, bonitas, que tenham força erótica. Já fiz até um seio de fora em “A casa das sete mulheres”.

E como é a vida sexual nesta fase?

Muda bastante. Sempre fui uma pessoa que viveu em parceria. Fui casada muitos anos (a atriz foi casada por 20 anos com o ator Paulo Betti), depois emendei um outro um relacionamento. Mas, de uns tempos para cá, estou gostando mais da solidão, de estar sozinha. Adoro chegar em casa e não ter ninguém. Não tenho obrigação de ficar com ninguém se não for bom. Acho que na mulher mais velha diminui a pulsão, a necessidade de sexo. Você vai sendo convocado pela vida para curtir outros prazeres, como amigos, viagens. Não que não haja mais desejo sexual, mas ele modifica, você vai tendo mais critério.

Você é muito cantada na rua?

Sou bem adulada, sim (risos), e acho surpreendente as pessoas trazerem essa sensualidade da ficção para realidade. Na verdade, fico surpresa quando alguém me pergunta a minha idade e digo 60 anos. Parece que eu cochilei, acordei e o tempo tinha passado. Todo mundo me pergunta se eu tenho 50. Acho que aparento isso. Acho ótimo. Mas essa questão de idade não me incomoda. É a vida. A outra opção é muito chata.

Galeria - Eliane Giardini (Foto: Marcos Serra Lima/EGO)

Eliane Giardini, a Ordália de “Amor à Vida”, conta que já foi convidada para posar nua, mas não aceitou (Foto: Marcos Serra Lima/EGO)

Fonte: G1