Podemos ser ensinados a envelhecer graciosamente?

0
210

 

Psicóloga e especialista em cuidados paliativos Marie de Hennezel acredita que nós podemos aprender a envelhecer graciosamente
Psicóloga e especialista em cuidados paliativos Marie de Hennezel acredita que nós podemos aprender a envelhecer graciosamente

Em seu livro “The Warmth of the Heart Prevents your Body from Rusting” (O calor do coração impede o nosso corpo de oxidação),  Marie de Hennezel propõe maneiras pelas quais todos nós podemos ajudar-nos a chegar a um acordo com o processo de envelhecimento.

Com o subtítulo “Ageing without growing old” (Envelhecer sem ficar velho), o livro de Marie leva a mensagem central de que, mesmo quando os nossos corpos começam a desmoronar-se, em nossos corações e em nossos espíritos ainda podemos permanecer ativo e jovem.

Marie acredita que há uma ‘arte de envelhecer’

“Não há nada mais velho do que não querer envelhecer. Estamos com medo de morrer mal, sozinho, sem amor, talvez dependente ou que sofrem de demência …. o pior, não é inevitável. Algo dentro de nós, não envelhece. Chamarei o coração, a capacidade de amar e de desejo, essa força inexplicável, incompreensível, que mantém o ser humano vivo …… ‘

Seu conselho inclui:

  • Estar alerta para novas experiências
  • Manter a capacidade para a alegria e admiração
  • Ser receptivo a novas pessoas e ideias
  • Não esperar muito dos outros
  • Ter uma atitude positiva, a fim de evitar a sensação de excluídos.

“Medicina e ciência vai nos ajudar” ela escreve, mas a força de nossa vitalidade e nossa “joie de vivre” à medida que envelhecemos vai depender de como trabalhamos o nosso envelhecer.

Em entrevista à Nick Smurthwaite, Marie falou sobre  suas ideias à respeito do envelhecimento.

O que você quer dizer com “trabalhar” o envelhecimento?

Marie: Há um grau de desprendimento e atenção que se exige de nós nesta fase em nossas vidas. Devemos deixar o passado ir embora, se reconciliar com nós mesmos, e aceitar que nós estaremos diminuindo em um aspecto, a fim de crescer em outro.

Não há outra maneira de envelhecer bem se não avançar no sentido desta juventude do coração.

Você fala sobre a importância de ter uma atitude positiva, e de usar o charme para lidar com as pessoas.

Marie: Não é realmente uma questão de charme. Se você tem uma visão positiva sobre o futuro, que é a coisa mais importante, eu creio. É muito fácil reclamar e encontrar o copo meio vazio. Você tem que estar ciente que esta não é uma boa atitude para se chegar à velhice.

Você tem que aprender a ver o lado positivo das coisas.

Você realmente acha que nós podemos ser formalmente ensinados a lidar melhor com a idade?

Marie: Sim, eu acho. Na França, alguns dos nossos líderes políticos estão muito interessados ​​em promover a educação popular em como envelhecer bem. Não me surpreenderia ver cursos de formação ou seminários que visam ajudar os idosos a envelhecerem bem psicologicamente e espiritualmente.

Em nossos 60 anos, nós certamente podemos aprender a desafiar os nossos próprios pensamentos negativos.

Você escreve abertamente e honestamente sobre sexo, morte e demência na velhice, todos eles assuntos sensíveis. Qual você acha que leva o maior tabu na consciência do público?

Marie: Provavelmente sexo. Quando o livro foi publicado pela primeira vez na França, e eu estava fazendo entrevistas para promovê-lo, nem um único jornalista me perguntou sobre o capítulo sobre sexo.

Eu acho que as atitudes estão mudando um pouco. Havia um artigo sobre Jane Fonda em Paris Match recentemente em que ela disse que ainda estava fazendo amor aos 74. Na mesma semana, houve um artigo em outro jornal de uma senhora dizendo que mais velha ela sentia mais prazer com sexo.

Sexo quando você é mais velho refere-se mais sobre a qualidade do relacionamento, sobre carinho e confiança, e menos sobre a sua autoimagem. Ternura substitui o desejo de seduzir ou ser seduzido.

Escrever o livro ajudou você a chegar a um acordo com o seu próprio envelhecimento?

Marie: Com certeza, sim. Eu já falei muito sobre isso com meus filhos. Eu disse a eles que não tenho problemas em ir para um lar de idosos.

Nós temos uma lei na França que permite aos médicos parar o tratamento, mas não para administrar sua morte. Se eu começar a fase em que eu não consiga mais reconhecer meus filhos, eu não gostaria que os médicos me mantivesse viva apenas me alimentando.

Acredito que as pessoas devem respeitar o fato de que você quer ir embora.

Podemos fazer alguma coisa para evitar o aparecimento de demência?

Marie: Eu, pessoalmente, acredito que o medo da morte e o medo de ficar muito velha, tem algo a ver com o aparecimento de demência. Se você está isolado você tem duas vezes o risco de contrair demência, por isso é vital manter contato com outras pessoas.

Ter projetos e ser criativo é muito importante, e nós devemos tentar não temer a perspectiva da morte. Eu conheci tantas pessoas animadas com mais de 90 anos com excelentes memórias, e todos eles muito receptivos à morte.

Como você vê o seu próprio futuro?

Marie: Em cinco anos, quando estiver com 70 anos, a minha intenção é tentar criar algum tipo de comunidade de pessoas idosas, com os meus amigos mais próximos. Há um na Bélgica, quel eu cito no livro, e outro em Montreuil, na França, mas eles dizem que não vão cuidar de quem desenvolve demência.

Eu penso que nós precisamos desenvolver estruturas onde as pessoas sabem que serão mantidos até o fim, não importa o que aconteça. Não é o suficiente compartilhar as refeições e jogar cartas juntos. Você precisa manter essa ligação espiritual íntima com o outro até o fim.

Fonte: ageUK