A musica pode ajudar o idoso com demência

0
392

A demência não é uma doença em si, mas um conjunto de sintomas que podem acompanhar doenças que afetam o cérebro.

A mais comum destas é a doença de Alzheimer. A outra é a demência vascular, que pode desenvolver-se após um acidente vascular cerebral ou se há danos nos vasos sanguíneos que interrompe o fornecimento de sangue para o cérebro. A demência não é uma consequência normal do envelhecimento.

Conforme a população mundial envelhece, o número de casos de demência aumenta e a música tem demonstrado muitas vezes que têm um efeito fantástico como forma de ajudar e apoiar as pessoas que sofrem deste sintoma.

Não importa o tipo de musica, se ela é um soul dos anos 60, árias de ópera ou músicas de um show. A música acalma, estimula e pode trazer à mente lembranças há muito esquecidas.

A demência está se tornando rapidamente o desafio do século 21 para as assistências sociais e as áreas de saúde. O número de pessoas afetadas tende a aumentar por causa da expansão da população idosa.

No Reino Unido, o número total de pessoas que sofrem de demência está previsto para ser superior a um milhão até 2021. Dessa forma, enquanto não há cura a longo prazo, formas de aliviar os sintomas estão cada vez mais disponíveis e acessíveis, como a música por exemplo..

O poder da música

ÍndiceO poder da música, especialmente o de cantar para desbloquear a memória e ativar a massa cinzenta, é um recurso cada vez mais fundamental para os cuidados da demência. Parece atingir as partes do cérebro danificadas de maneira tal que outras formas de comunicação não consegue atingir.

“Temos a tendência de mantermos contactáveis ​​como seres musicais em algum nível até o fim da vida”, diz o professor Paul Robertson, um violinista e acadêmico que fez um estudo da música nos cuidados de demência.

“Nós sabemos que o sistema auditivo do cérebro é o primeiro a funcionar plenamente em 16 semanas, o que significa que você é musicalmente receptivo muito antes que qualquer outra coisa. Então, é um caso do primeiro que entra e ultimo que sai quando se trata de uma avaria do tipo de demência memória”.

Muitos estudantes de música do Reino Unido, assim como músicos mais experientes, agora consideram visitas em home care como parte de sua experiência de aprendizagem. Além de ser extremamente benéfico para aqueles com várias formas de demência e aos seus cuidadores, elas também podem ser úteis e compensadoras para os próprios músicos.

Fonte: AgeUK