Atividade física: entenda porque ela é um das maiores aliadas no combate à dor crônica

0
293

Especialistas dão seis dicas para esclarecer a doença que já atinge mais de 60 milhões de brasileiros

IDOSOS-+-EXERCICIOS-300x174Dores crônicas como lombocitalgia, artrose e cefaleia já fazem parte da vida de 60 milhões de brasileiros, segundo dados da Sociedade Brasileira de Estudo da Dor (SBED). A fibromialgia, outra dessas doenças, já atinge 10 milhões de pessoas no país e, quando não é tratada corretamente, causa a depressão, presente em 20% dos pacientes. As doenças consideradas dores crônicas não são fáceis de conviver, mas algumas atitudes do paciente podem ajudá-lo a levar uma vida sem tantos sintomas e com mais qualidade de vida.

Um dos tratamentos mais conhecidos no combate à dor são as atividades físicas. O médico João Marcos Rizzo, coordenador da clínica de dor do Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre (RS), explica a importância dos exercícios físicos no combate à dor. “Caminhadas e corridas, por exemplo, têm alto valor de evidência no tratamento das dores crônicas por liberarem endorfina (analgésicos naturais do nosso organismo). Quando a dor é contínua ou intermitente, por um período igual ou superior a três meses, pode ser considerada crônica. É o tempo mínimo para que ocorra a uma memorização da dor pelo sistema nervoso, característica da dor crônica”, explica o médico.

AB20A incidência desses sintomas é maior em um perfil de pacientes, como explica a médica Simone Kurotusche, especialista em medicina esportiva. “As mulheres que tem de 30 a 40 anos desenvolvem doenças como a fibromialgia com mais frequência. Ela atinge uma média de cinco a sete mulheres para cada homem. Uma das hipóteses para maior prevalência da dor crônica entre elas são as questões hormonais, genéticas e de hábitos do dia a dia”.

O especialista Rizzo alerta que as dores crônicas não são exclusivas de idosos. “Sempre tomamos cuidado para não priorizar uma faixa etária, pois todas têm suas doenças dolorosas mais prevalentes e igualmente importantes”.

O tratamento pode ser simples, dependendo da gravidade do que a pessoa tem. O que ocorre é que muitas agravam os sintomas cometendo erros que podem ser evitados facilmente. Por isso, os dois especialistas esclarecem as dúvidas mais constantes sobre as dores crônicas:

1) Além do exercício físico, alguma outra prática auxilia no controle da dor?

Ter um diagnóstico e saber exatamente que tipo de dor tem e quais os procedimentos para amenizá-la é fundamental, como explica Rizzo. “A psicoeducação, que nada mais é do que aprender sobre a dor, e um tratamento medicamentoso adequado sempre prescrito por um médico especialista também ajuda”.

2) A prática de exercício físico todos os dias pode agravar os sintomas das dores crônicas?

“Sim, principalmente quando não há supervisão. É importante a frequência, a regularidade e a alternância de grupos musculares trabalhados, para evitar sobrecarga, lesões e abandono das atividades por piora das dores”, orienta a especialista Kurotusche.

3) O exercício é efetivo contra todos os tipos de dores? Se não, quais os casos em que ele mais ajuda?

“Respeitando o estado clínico da pessoa, pode-se dizer que dificilmente não haverá benefício para qualquer tipo de dor, pois os efeitos analgésicos do exercício são reais e têm impacto positivo”, afirma a médica.

Rizzo cita um caso específico de dor crônica que tem mostrado melhoras significativas quando tratada adequadamente com atividade física. “A hérnia de disco tem reduzido o máximo possível o tempo de repouso que se indica. Hoje, percebe-se que quanto mais repouso, mais dor poderá surgir aos movimentos e mais prolongado o caso pode se tornar”.

4) Existe algum tipo de dor em que não é aconselhável fazer exercícios físicos? Se sim, qual?

“As restrições existem, geralmente por curtos períodos. Antes de iniciar um programa de exercícios como parte do tratamento, é imprescindível a avaliação por um profissional. Assim não haverá o risco de agravar qualquer condição clínica”, orienta o especialista Rizzo.

Simone Kurotusche lembra que as únicas dores que não se aconselha exercícios físicos são as de origem inflamatória ou infecciosa na fase ativa, em curto prazo após uma operação e nas causadas por algum câncer.

5) Por que as pessoas acreditam que o exercício físico não ajuda a tratar as dores crônicas?

“Falta de informação. Muitas acreditam que devem manter repouso quando têm dor crônica”, diz a médica.

O especialista Rizzo acrescenta que os resultados não são imediatos e, por isso, muitos acabam largando o tratamento. “Num primeiro momento as dores podem até piorar. O que buscamos é o resultado a médio e longo prazo. Por isso devemos ser enfáticos e educativos quando prescrevemos exercícios físicos como parte do tratamento da dor”.

6) Quais as melhoras que o paciente sente ao começar a fazer exercícios?

“É notório o bem-estar, não só físico, mas principalmente mental. O simples fato do paciente se sentir agente ativo em seu tratamento é um grande sinal de melhora”, destaca o médico.

Korutusche cita outros sintomas, como melhora da disposição, de movimentação, da auto-estima, da depressão, qualidade do sono, equilíbrio, força, flexibilidade e das relações sociais.

Campanha A Dor Para a Vida das Pessoas, Pare a Dor, acontece todos os meses em diversas cidades do país

Uma boa alternativa para iniciar um tratamento com exercícios físicos e orientação adequada gratuitamente é a Caminhada Pare a Dor, organizada pela SBED. Ela tem o objetivo de conscientizar a população da importância do diagnóstico e auxílio profissional precoce, como destacaram os especialistas.

Essa iniciativa conta com o apoio da Zodiac Farmacêutica e acontece semanalmente em São Paulo, às quintas-feiras e sábados, no Parque do Ibirapuera, e também tem edições mensais em outras cidades, como Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Natal, São Luís, Curitiba, etc. Profissionais especializados, como personal trainers, fisioterapeutas, psicólogos e especialistas em dor sempre acompanham as caminhadas e orientam gratuitamente todos os pacientes presentes.

A fisioterapeuta Mariana Schamas sempre está presente às caminhadas de São Paulo e é uma das idealizadoras da iniciativa. Ela explica quais exercícios e orientações são oferecidos a quem comparece à caminhada. “É realizado um alongamento inicial e, após a caminhada, realizamos novamente um alongamento final. Uma atividade física regular é o melhor para ajudar no tratamento da dor crônica. Devemos sempre pensar que o melhor exercício é aquele que faz bem ao paciente e que sim esta melhorando sua dor”.

Fonte: Mapa Comunicação