De luto pela morte de um cônjuge. E agora?

0
308

A morte do cônjuge é um dos maiores desafios emocionais enfrentados na velhice devido ao seu impacto na vida do viúvo e das suas repercussões físicas e emocionais. A perda de pessoas queridas é, usualmente, uma experiência estressante, mesmo que o ente querido esteja doente há algum tempo

Quando se perde o cônjuge, tudo em sua volta parece mudar. Quando se está de luto existe um sentimento de dor e tristeza pela perda e leva algum tempo para ser superado.

O enlutado pode se sentir confuso, chocado ou mesmo com medo. Ele pode se sentir culpado por ser quem ainda está vivo. Se o seu cônjuge morreu em uma casa de repouso, fica o sentimento de que talvez ela pudesse cuidar dele em casa.

Em algum momento sentimentos contraditórios podem ocorrer, como por exemplo, se sentir irritada com o seu cônjuge por tê-la deixado. Todos esses sentimentos são normais. Não há regras sobre como a pessoa deva se sentir. Não há uma maneira certa ou errada para estar de luto.

Quando as pessoas estão de luto podem sentir dores físicas e emocionais e muitas vezes choram facilmente, podendo ter:

  • Problemas para dormir
  • Pouco interesse em comer
  • Problemas de concentração
  • Dificuldades para tomar decisões

Além de lidar com o sentimento de perda, o cônjuge também precisa colocar em ordem sua própria vida. Esta pode ser uma tarefa difícil. Algumas pessoas podem se sentir melhor mais cedo do que o esperado outras, porém, podem levar mais tempo. A família, os amigos e a fé podem ser fontes de apoio.

Com o passar do tempo, ela continuará sentindo saudades de seu cônjuge, mas para a maioria das pessoas, a dor vai diminuído gradativamente. Haverá dias bons e dias ruins. Ela saberá que está se sentindo melhor quando os bons dias começam a superar os maus dias.

Para algumas pessoas, a dor pode continuar por muito tempo, tornando prejudicial à sua saúde. Isso pode ser um sinal de grave depressão e ansiedade. Se a tristeza a impedir de continuar com sua vida cotidiana, converse com seu médico.

O que se pode fazer?

No início, o enlutado poderá achar que cuidar dos detalhes e manter-se ocupado poderá ajudá-lo. Por um tempo, familiares e amigos poderão estar por perto para ajudá-lo mas chega um momento em que ele terá que enfrentar a mudança em sua vida.

Aqui estão algumas dicas:

  • Cuide-se. O sofrimento pode ser muito prejudicial para sua saúde. Faça exercícios regularmente, coma alimentos saudáveis e durma o suficiente. Os maus hábitos, como beber muito álcool ou fumar, podem colocar sua saúde em risco.
  • Converse com amigos que se preocupam com você. Deixe a família e os amigos saberem quando quiser para falar sobre seu cônjuge. Eles também podem estar sofrendo e terão a chance de compartilhar suas memórias.
  • Tente não fazer grandes mudanças imediatamente. Não é uma boa tomar decisões importantes precipitadamente, como mudar de casa ou mudar de emprego.
  • Não tenha medo de procurar ajuda profissional. Às vezes, uma conversa de curto prazo com um terapeuta pode ajudar.
  • Lembre-se de que seus filhos também estão sofrendo. Levará tempo para toda a família se adaptar à vida sem o seu cônjuge. Você poderá até achar que seu relacionamento com seus filhos e suas relações entre si mudaram. A comunicação aberta e honesta é importante.
  • Luto leva tempo. É comum ter altos e baixos em suas emoções por um tempo.
  • Visite os membros da sua comunidade religiosa. Muitas pessoas que sofrem encontram conforto em sua fé. Orar, falar com os outros da sua fé, ler textos religiosos ou espirituais, ou ouvir música edificante também pode proporcionar conforto.
  • Consulte o seu médico.  Fale com seu médico sobre quaisquer novos problemas de saúde que possam ser motivo de preocupação. Certifique-se de informa-lo se você está tendo problemas para cuidar de suas atividades diárias, como se vestir ou preparar suas refeições.

Homens e mulheres se sentem da mesma maneira?

Homens e mulheres compartilham muitos dos mesmos sentimentos quando seu cônjuge morre. Ambos podem enfrentar a dor da perda e podem estar preocupados com o futuro, mas também pode haver diferenças.

Muitos casais dividem suas ​​tarefas domésticas. Um paga as contas e cuida da manutenção do carro, a outra pode preparar as refeições e cuidar do jardim. Para a maioria dos casais a divisão do trabalho funciona muito bem, mas quando há uma perda do cônjuge é necessário que a outra pessoa aprenda a lidar com novas tarefas. Isso leva tempo, mas é possível.

Enfrentar o futuro sem o cônjuge pode ser assustador. Muitos homens e mulheres nunca viveram sozinhos. Aqueles que são viúvos e aposentados podem sentir-se muito solitários e ficar deprimidos.

Assuma o controle de sua vida

Depois de anos e anos casados, pode ser angustiante um cônjuge ficar sozinho. Muitas pessoas encontram ajuda a procura de coisas para fazer todos os dias.

Algumas dicas:

  • Dar um passeio com um amigo.
  • Ser um voluntariado
  • Frequentar aulas de ginastica.
  • Participar de um grupo de canto.
  • começar um trabalho em tempo parcial.
  • Cuidar dos seus netos.
  • Considerar a adoção de um animal de estimação.
  • Aprender uma nova habilidade.
  • Fazer aulas em um centro de idosos, faculdade ou centro de recreação nas proximidades.
  • Manter contato com familiares e amigos, pessoalmente ou em linha.

Há mais coisa para fazer?

Quando a pessoa se sentir mais forte emocionalmente, ela deve pensar em colocar seus assuntos legais e financeiros em ordem. Por exemplo:

  • Redefina suas necessidades
  • Procure um bom advogado para assuntos legais e cuidados de saúde, caso você não consiga tomar suas próprias decisões médicas no futuro.
  • Coloque propriedades conjuntas (como uma casa ou carro) em seu nome.
  • Verifique as mudanças que você precisará fazer para seu seguro de saúde, bem como seguro de vida e de automóvel.
  • Faça uma lista de contas que você precisará pagar nos próximos meses: por exemplo, impostos estaduais e federais e sua renda ou hipoteca.

Quando estiver pronto, ela pode revisar as roupas do seu cônjuge e outros itens pessoais. Pode ser difícil distribuir esses pertences. Em vez de separar tudo ao mesmo tempo, ela pode fazer três pilhas: uma para manter, uma para doar, e uma “não está segura”.

Pedir aos filhos ou a outros para ajudar pode ser uma boa ideia. Outra boa dica é colocar itens como uma peça especial de roupa, relógio, livro favorito ou foto para dar aos filhos ou netos como lembranças pessoais de seu cônjuge.

É hora de começar uma nova vida social?

Ter uma vida social pode ser desafiador para o viúvo. Pode ser difícil pensar em ir a festas ou a outros eventos sociais. Pode ser difícil pensar em ir para casa sozinho. Pode ser que ele se sinta ansioso sobre sair com alguém para um relacionamento. Muitas pessoas perde a sensação de intimidade que o casamento traz. Depois de um tempo, algumas pessoas estão prontas para ter uma vida social novamente.

Aqui estão algumas dicas:                                         

  • Vá a um ritmo confortável. Não há pressa.
  • Experimente as atividades em grupo. Convide amigos para um jantar ou vá para um centro para pessoas idosas.
  • Com amigos casados, pense em passeios informais como caminhadas, piqueniques ou filmes em vez de eventos de casal que o relembrassem do passado.
  • Encontre uma atividade que você goste. Você pode se divertir e conhecer pessoas que gostem de fazer o mesmo.
  • Você pode desenvolver relacionamentos significativos com amigos e familiares de todas as idades.
  • Muitas pessoas acham que os animais de estimação oferecem uma companhia importante.

Cuide-se

  • Obtenha ajuda de sua família, amigos ou profissionais, se você precisar.
  • Esteja aberto a novas experiências.
  • Tire um tempo para se adaptar à vida sem o seu cônjuge.

Texto extraído e adaptado do site www.nia.nih.gov

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here