País não está pronto para uma ‘sociedade de idosos’, diz especialista; leia entrevista

0
252
Maria Liz Cunha é professora de gerontologia, área que estuda o processo de envelhecer. Em 2060, Brasil terá 25% de idosos; no DF, serão dois idosos para cada jovem.

Maria Liz Cunha de Oliveira, enfermeira e professora do mestrado em gerontologia da Universidade Católica de Brasília (UCB) (Foto: Rodrigo Eneas/UCB )
Maria Liz Cunha de Oliveira, enfermeira e professora do mestrado em gerontologia da Universidade Católica de Brasília (UCB) (Foto: Rodrigo Eneas/UCB )

Em 2060, o Brasil projetado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) deve se parecer mais com um episódio de “Supergatas” (“Golden girls”, no original) que com o futurismo dos “Jetsons”.

O leitor que é novo demais para pegar essas referências, inclusive, deve ficar de olho: daqui a quatro décadas, 1 em cada 4 brasileiros será do time da “melhor idade”, com mais de 65 anos. No DF, segundo o IBGE, serão dois idosos para cada jovem.

O cenário é similar ao que já existe em países como Itália e Japão – e os desafios enfrentados nesses locais dão alguma dica do que vem por aí. Para entender o fenômeno, o G1 conversou com a enfermeira e professora do mestrado em gerontologia da Universidade Católica de Brasília (UCB) Maria Liz Cunha de Oliveira.

A gerontologia estuda, justamente, o processo de envelhecimento humano. Na entrevista, Maria Liz foi categórica: o Brasil e o Distrito Federal, hoje, não estão preparados para essa sociedade de idosos.

“A sociedade não é complacente, e o idoso não se vê como idoso”, indica Maria Liz. No bate-papo com o G1, a professora falou sobre:

  • a adequação dos espaços públicos;
  • o papel da família e do planejamento nas próximas décadas;
  • como driblar a depressão e o isolamento na velhice;
  • como resolver a inservação do idoso no mercado de trabalho;
  • as diferenças entre a velhice de homens e mulheres;
  • como envelhecer bem.
Confira, abaixo, a entrevista:

G1: As projeções do IBGE indicam que, em 2060, o DF terá dois idosos para cada jovem. A tendência é a mesma em todo o país, com rapidez maior ou menor. Estamos preparados para essa inversão na pirâmide etária?

Maria Liz Cunha de Oliveira: O Brasil tinha, como jargão, ser “o país do jovem”. A gente não se preparou para esse envelhecimento tão rápido, já nas próximas décadas. O idoso vem tendo muitas perdas, até nas políticas públicas, e não há preocupação com o envelhecimento solitário.

Para saber se estamos preparados, basta olhar ao redor. Nós somos uma capital que não tem uma única instituição de longa permanência do governo. Todas são filantrópicas, ou ligadas a religiões. Elas recebem verba do governo, claro, mas o GDF mesmo só tem hospitais. Não existe um lugar digno, construído para isso, com estrutura ideal

A gente se cala sobre isso, mas no DF há um índice imenso de suicídios no Lago Sul e em Ceilândia. Ceilândia é a região mais populosa, e o Lago Sul, a região com o maior número de idosos que têm recursos financeiros. Qual o motivo? A solidão, né. Se você vai ao Liberty Mall, nas sessões de filme de arte, ou ao Brasília Shopping, estão lotados de idosos em busca de convívio social.

G1: Além do aumento populacional, é esperado que o perfil desse idoso também mude nas próximas décadas. Já existem esforços para desmistificar essa imagem do senhorzinho encurvado, de bengala, da vovó que faz crochê… Seremos idosos mais ‘jovens’?

Maria Liz: Para os próximos 30 anos, estamos falando de um idoso ativo, favorecido pela tecnologia médica do último século – vacinas, exames, medicamentos –, mais lúcido, mais protagonista.

Ao mesmo tempo, é um idoso bem mais sozinho, porque a tendência das famílias é não formar mais aquela estrutura tradicional.

Agora, é importante dizer que o idoso não gosta de ser infantilizado. Quando você vai a um encontro de idosos, é o que acontece: ‘dança isso, dança aquilo ali’. O idoso de hoje é rockeiro, ele vem do primeiro Rock in Rio.

Ele veio da Janis Joplin, do Jimi Hendrix. É alguém que usava drogas e, provavelmente, continua usando. Ninguém fala da drogadição dos velhos.

Eu costumo dizer sempre: “idoso não é Papai Noel”. Se ele era um serial killer, vai continuar sendo, não vai virar anjo. Ele envelheceu a carcaça, mas por dentro ele é a mesma pessoa que era na fase adulta.

G1: E como a gente prepara a cidade para esse idoso?

Maria Liz: Primeiro, é preciso ter espaços voltados para essa população. O idoso nem sempre pode ir a uma academia qualquer, ele precisa de atividades específicas para a tonicidade muscular dele, para o dia a dia. Hoje, sair pelas ruas de Brasília é um suplício, as calçadas não estão preparadas para idosos, como não estão para gestantes, crianças. Você pode morrer por uma queda.

O número de estacionamentos é irregular, há quadras que têm muitas vagas para cadeirantes, e duas para idosos. Poderiam ser vagas híbridas. Esse conforto de estacionar mais perto, por exemplo, não é respeitado porque acham que o idoso já é descartável.

Além de criar transporte público de qualidade, é preciso conscientizar o motorista. Uma das maiores causas de morte de idosos no DF é atropelamento, porque o idoso acha que dá conta de correr, mas não dá. E aí, o motorista também não reduz a velocidade.

A sociedade não é complacente, e o idoso não se vê como idoso. A gente não se identifica com o que vê no espelho, e sim, com o que sente.

G1: Quando a gente fala em 2060, parece um exercício de futurologia. Mas esses idosos que aparecem no estudo são, justamente, nossos jovens de hoje. Como eles podem se preparar para envelhecer?

Maria Liz: Uma das preparações é dentro da própria família. A inclusão dos avós, não só na criação, mas na vida ativa dos netos. A participação do idosos nas festas familiares é uma forma de espelho, de você perceber a existência de alegria naquela vida, mesmo num corpo envelhecido.

O que falta no jovem de hoje é a educação para o respeito, para as diferenças em todos os aspectos. Do idoso, assim como do cadeirante, da travesti. A gente cultua a juventude. Na Grécia, quem era sábio, quem era senador eram os velhos. Hoje, até a política é um espaço de jovens, cada vez mais.

Se a família está esfacelada, o que sobra para o idoso? As escolas, por exemplo. Você precisa aprender como ser idoso, se preparar para isso, mas nosso país não tem essa cultura de planejamento. Isso vai desde a aposentadoria, que hoje não é só governamental, até os hábitos atuais para evitar doenças como diabetes e hipertensão.

G1: Como achar o meio-termo para que o idoso tenha serviços voltados para as necessidades dele e, ao mesmo tempo, não fique isolado da família, convivendo apenas com outros idosos?

Maria Liz: Como não existe um movimento da sociedade para que isso aconteça, os idosos que têm algum poder aquisitivo fazem o que podem para se manter integrados. Se você puxar papo com um idoso na rua, numa fila, aquilo automaticamente vira uma longa conversa. Ele, em geral, está muito solitário.

Essa circulação em espaço público já favorece a integração. Mas aqui em Brasília, a gente não tem centros desse tipo, então as pessoas acabam recorrendo aos shoppings. Em Manaus, existe um centro de idosos impressionante. Aqui, novamente, só temos hospitais.

Se você for aos centros comunitários para o idoso aqui no DF, dá pena. Estão caindo aos pedaços, com aparelhos velhos. Os idosos se reúnem pra fazer crochê, conversar e dançar. Fora daqui, há espaços com salas de leitura, de cinema. No DF, a gente não olha pra essa questão do envelhecimento.

G1: Um dos primeiros fatores anulados na velhice, geralmente, é a vida afetiva e sexual. A senhora acha que o tabu tende a ficar para trás?

Maria Liz: O tabu é muito arraigado porque nossa sociedade é machista. A longevidade é, principalmente, feminina. E existe uma questão patrimonial, em que os filhos não querem o envolvimento do idoso porque não querem uma divisão maior dos bens.

É uma questão egoísta, que acaba prendendo o idoso onde ele não quer estar. A sexualidade é uma chama de vida, um jeito de você se expor no mundo. Isso é a sexualidade, é a autoestima da pessoa.

E aí, você obrigatoriamente tem que ser a avó, a Dona Benta lá de trás. Essa avó é boicotada pelos próprios filhos, que não aprovam o relacionamento, e acaba se retraindo, se deprimindo. A sexualidade do idoso existe, o carinho existe. Somos seres sociais, isso não muda na velhice.

José Pazzoti, de 78 anos, beija Maria José Carlo, de 81, no jardim da casa de idosos A Mão Branca. Eles são namorados e se casaram durante a festa junina de 2015 (Foto: Guilherme Zauith/G1)
José Pazzoti, de 78 anos, beija Maria José Carlo, de 81, no jardim da casa de idosos A Mão Branca. Eles são namorados e se casaram durante a festa junina de 2015 (Foto: Guilherme Zauith/G1)

Fonte:G1

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here