Por que as mulheres vivem mais do que os homens?

0
863

A longevidade das mulheres e maior que a dos homens e com maior qualidade de vida

Os números não mentem: as mulheres em geral vivem mais do que os homens. O homem americano vive em média até os 76 anos, de acordo com os dados mais recentes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), enquanto as mulheres vivem em média até 81 anos. Além disso, os anos mais longevos das mulheres são em geral saudáveis.

Segundo o índice Health Life Expectancy (HALE) da Organização Mundial da Saúde, a expectativa de uma vida saudável para os homens americanos é de 67 anos. Por sua vez, as mulheres vivem até os 70 anos com ótima saúde.

Portal Amigo do Idoso
As mulheres também vivem mais tempo com ótima saúde (Foto: Pixabay)

Essa diferença na expectativa de vida entre homens e mulheres não é um fenômeno novo. Também não se limita aos americanos. “Essa diferença é comum a todas as sociedades, assim como se aplica também aos grandes macacos”, disse Perminder Sachdev, professor de neuropsiquiatria da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, e  especialista em longevidade humana.

Veja também: A revolução da longevidade

As mulheres costumam ir ao médico com mais regularidade

Por que as mulheres são mais longevas do que os  homens? Na opinião de Sachdev esse fato se deve a fatores biológicos e comportamentais.

“Os homens são mais propensos a fumar, a beber em excesso e a ficar acima do peso. Em geral, não procuram ajuda médica assim que sentem algum sintoma de doença e resistem a obedecer aos tratamentos. Os homens também correm mais riscos na vida e, por isso, morrem com frequência em acidentes de carro e em brigas”.

Estudos mostram que níveis elevados do hormônio testosterona pode diminuir a expectativa de vida dos homens. Segundo pesquisa da Universidade Duke, níveis elevados de testosterona estão associados a comportamentos sexuais de risco.

“A testosterona afeta os mecanismos de defesa do organismo e aumenta o risco de  doenças cardiovasculares“, observou Kyung-Jin Min, professor de biologia da Universidade de Inha, na Coreia do Sul.

Em 2012, em um artigo publicado na revista científica Current Biology, Min e seus colegas examinaram os registros médicos de 81 eunucos coreanos, que por terem sido castrados na infância tinham um nível baixo de produção de testosterona. A pesquisa revelou que os eunucos viveram em torno de 14 a 19 anos mais do que homens da mesma posição socioeconômica.

A maternidade exerce um papel importante na longevidade feminina

No caso das mulheres, os hormônios femininos as protegem de algumas doenças. “O estrogênio tem uma função antioxidante no organismo”, disse Sachdev. Um estudo publicado em 2013 na revista científica International Journal of Endocrinology mostrou que o estrogênio previne danos no DNA que causam doenças. O estudo também revelou que o estrogênio ajuda a manter a função celular saudável.

“Essas teorias explicam a diferença de expectativa de vida entre homens e mulheres, porém a maternidade exerce um papel importante na longevidade feminina. O corpo das mulheres evoluiu e se fortaleceu para se recuperar da gravidez e do parto, desafios aos quais o corpo dos homens nunca foi exposto”, observou Sachdev.

Fonte: Opinião&Noticia

Japonesa de 116 anos é a mais velha do mundo, segundo o Guinness

O livro “Guinness World Records” reconheceu uma japonesa de 116 anos de idade como a pessoa mais velha do mundo.

Reprodução/Guinness World Records

Kane Tanaka foi declarada detentora do recorde em uma cerimônia no asilo onde vive atualmente, em Fukuoka, sudoeste do Japão. Nascida em 2 de janeiro de 1903, ela teve quatro filhos ao longo da vida e possui o hábito de acordar sempre às 6h da manhã.

Segundo Tanaka, sua diversão é “estudar matemática”. O recorde anterior pertencia a outra japonesa, Chiyo Miyako, falecida em julho passado, aos 117 anos de idade.

Fonte:Metro

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here