O que são úlceras de decúbito e como tratar.

1
1953

Úlceras de decúbito é passível de ocorrer tanto em homens quanto em mulheres sem qualquer espécie de restrição de idade

As úlceras de decúbito, ou de pressão, são feridas que aparecem na pele de indivíduos que permanecem muito tempo na mesma posição, como ocorre em pacientes internados em um hospital ou que ficam acamados dentro de casa, sendo muito comum também nos paraplégicos, já que estes passam muito tempo sentados na mesma posição.

As escaras podem ser classificadas de acordo com a sua gravidade, podendo ser:

  • Grau 1 – Eritema ou hiperemia:a lesão atinge as camadas superficiais da pele, que permanece íntegra. No local, surge uma mancha avermelhada que costuma desaparecer depois de algum tempo, se a pressão for aliviada;

  • Grau 2 – Isquemia:o ferimento compromete todas as camadas da pele e o tecido subcutâneo e, pode formar- se uma bolha, aparecer uma esfoladura ou um orifício superficial na área afetada;

  • Grau 3 – Necrose:a lesão e atinge o tecido muscular, adquire coloração arroxeada e pode abrigar um nódulo endurecido;

  • Grau 4 – Ulceração:a lesão progride em profundidade, há destruição da pele e dos músculos; os ossos e articulações ficam expostos.

EVOLUÇÃO DE UMA ÚLCERA DE DECÚBITO

O maior perigo é a infecção que pode ocorrer nessas feridas. Bactérias podem entrar facilmente no corpo do indivíduo por uma escara aberta e mal cuidada, trazendo maiores complicações.

Nas pessoas com a sensibilidade preservada, as escaras doem muito. Caso contrário, podem evoluir sem que o paciente se dê conta de sua presença.

AGENTE CAUSADOR

As causas das escaras estão relacionadas à má circulação sanguínea naquela região específica e elas começam de dentro para fora. Quando uma escara aparece na pele, significa que ela já estava sendo formada há algum tempo dentro do músculo do indivíduo. Os locais mais frequentes das escaras são: sacro, quadril, calcanhar, orelhas, ombros, joelhos e escápulas.

Vários são os fatores que podem influir no sentido de provocar uma lesão deste tipo como fricçãoincontinência urinária, deficiência de vitamina, infecções, pressão arterial alterada, edemas, umidade excessiva, incontinência fecal, desnutriçãotraumas e imobilidade, por exemplo.

O problema é passível de ocorrer tanto em homens quanto em mulheres sem qualquer espécie de restrição de idade.  Quando uma região de tecido mole fica por muito tempo comprimida entre uma estrutura óssea e uma superfície dura é comum a escara se desenvolver.

A parte da população mais vulnerável a esta condição somos nós PCDs, Tetra/Paraplégicos, idosos e pacientes que se encontram hospitalizados, por exemplo, acabam enfrentando as úlceras de pressão com maior frequência, até mesmo devido ao fato da locomoção restrita.

DIAGNÓSTICO

É fácil observar o desenvolvimento das lesões. No início é apenas uma leve vermelhidão local, porém com o passar dos dias pode haver destruição da pele e até mesmo exposição dos ossos. Desta forma é bastante comum que pessoas com escara procure por ajuda médica.

Através de uma minuciosa análise clínica o profissional já começa a suspeitar do mal. A aparência da lesão é característica. Alguns exames laboratoriais podem ser feitos, assim como biopsia de tecido, para que outras enfermidades sejam excluídas. Após a certeza do diagnóstico, deve-se dar início imediato a um tratamento.

A úlcera de decúbito pode piorar consideravelmente caso não seja tratada e pode voltar a aparecer se os devidos cuidados não forem tomados. Portanto, é muito importante que pessoas pré-dispostas tomem medidas preventivas, caso contrário irão viver com este incômodo frequentemente.

SINTOMAS

Logo no início diz-se haver uma situação de hiperemia, ou seja, há uma vermelhidão no local, porém a pele ainda não foi gravemente atingida. Geralmente este sinal ocorre quando a pressão dura algo em torno de 30 minutos no máximo. Em poucas horas tende a desaparecer.

Quando a pressão é contínua e por mais de 2 horas a lesão começa a comprometer a pele. Pode surgir algo semelhante a uma bolha ou a uma abrasão. Nestes casos diz-se haver uma situação de isquemia e o machucado tende a desaparecer por volta de 3 dias depois. Caso haja necrose é devido a uma pressão por mais de 6 horas na mesma região. Logo se pode notar um arroxeado e, em certos casos, um pequeno nódulo endurecido. Nesta situação a lesão já é mais grave e necessita de um tempo maior para sumir e de um tratamento adequado.

O estágio de ulceração é o mais grave. Caso a pressão não cesse a escara vai se aprofundando a ponto de destruir a pele, os músculos e até mesmo expor os ossos. A aparência é preocupante e o tratamento deve ser intensivo.

PREVENÇÃO PARA AS ÚLCERAS DE DECÚBITO

Os princípios básicos para a prevenção de qualquer úlcera de pressão são uma alimentação adequada, cuidados e higiene com a pele, estimulação da área pressionada e alívio da pressão na mesma de tempos em tempos.

Para algumas pessoas como os paraplégicos e os hospitalizados, pode ser difícil evitar estas lesões. Por isto é importante estar sempre mudando estes indivíduos de posição, manter a pele hidratada e limpa, evitar a umidade, utilizar colchões macios e manter as roupas de cama limpas e bem esticadas, por exemplo.

Uma alimentação rica em proteína ajuda na cicatrização da pele e na prevenção das lesões, assim como a movimentação, já que promove uma circulação. Portanto, é necessário estimular a deambulação. Pacientes que utilizam fraldas devem ter estas trocadas de 3 em 3 horas no mínimo. Outra medida muito indicada é utilizar sabonetes com ph neutro na região genital.

Sempre que possível é bom mudar de posição, nem que seja de um lado para o outro na cama. Manter travesseiros macios na região embaixo dos ombros e dos cotovelos também é uma boa alternativa.

TRATAMENTO PARA AS ÚLCERAS DE DECÚBITO

O tratamento para as úlceras de decúbito varia de acordo com a gravidade e extensão das lesões.

Para úlceras que ainda não estão abertas consiste em melhorar a circulação sanguínea local, com massagens com óleo de girassol (Dersani).

As massagens também podem ser realizadas com hidratante , desde que o mesmo não tenha contato com a lesão aberta.

Lesões iniciais nos graus 1 e 2 e até mesmo no grau 3, se forem pequenas, costumam regredir por si mesmas, desde que a pressão sobre a pele seja interrompida e os cuidados profiláticos (as medidas preventivas já citadas) forem mantidos. Há casos, porém, em que pode ser necessário recorrer ao uso de antibióticos e curativos especiais.

O tratamento consiste na limpeza da ferida com jatos de soro fisiológico, de preferência morno. O soro fisiológico, além de limpar a ferida, não destrói o que o corpo já vinha reconstruindo. É, portanto, uma excelente opção de tratamento.

Veja também: Saúde incentiva avaliação dos pés dos diabéticos

Caso a lesão esteja em um estágio mais avançado e já apresente crosta preta, um profissional deve ser contatado para que cuide da ferida, com a finalidade de retirar esta camada endurecida. Após a limpeza um curativo deve ser feito de forma a manter a umidade no nível ideal. É preciso retirar o excesso de exsudato e garantir o isolamento térmico. A gaze deve ser impermeável a bactérias e trocada sempre que preciso. Deve-se também ficar atento para que na hora da troca do curativo tecidos não sejam removidos, causando mais traumas à ferida.

TRATAMENTOS CIRÚRGICOS PODEM SER CONSIDERADOS EM CERTAS CIRCUNSTÂNCIAS.

Úlceras que atingiram o grau 4 podem demandar uma intervenção cirúrgica de desbridamento para eliminar os tecidos infectados e mortos, assim como um transplante de pele para facilitar o fechamento da ferida.

escarectomia, por exemplo, é a retirada total da região necrosada. Já a osteotomia retira algumas proeminências ósseas debaixo da escara. Pode-se também elaborar uma cobertura especial para cada escara. Entretanto, a prevenção é a melhor solução para estas lesões. Diante de qualquer espécie de machucado, não hesite em consultar um médico.

osteomielite – infecção óssea causada por bactérias provenientes de um foco infeccioso com origem nas úlceras de decúbito é uma complicação grave e de tratamento difícil dessas lesões de pele.

Outros:

Curativo Biotecnológico Bionext
– Curativo à vácuo!
– Curativo Hidrocolóide!
– Curativo de Carvão Ativado
– Extrato de Própolis
– Óleo de girassol/Dersani

RECOMENDAÇÕES

Sempre é bom relembrar que o melhor remédio para as escaras é evitar que elas se formem nas áreas mais sensíveis à pressão. Existem alguns recursos úteis para ajudar as pessoas que correm maior risco:

– usar almofadas de proteção para aliviar a pressão nas regiões mais vulneráveis à compressão;
– examinar a pele de todo o corpo, especialmente nos pontos de pressão;
– não esfregar a pele durante os cuidados básicos de higiene pessoal;
– secar bem a pele depois do banho e hidratá-la convenientemente com fórmula de Dersani/Óleo de girassol ou hidratante, capriche nas massagens;
– dar preferência à roupa de cama de algodão, que deve ser bem esticada e livre de dobras que possam pressionar ou macerar a pele;
– trocar com frequência as fraldas dos pacientes com incontinência urinária ou fecal;
– estimular a movimentação respeitando sempre as possibilidades físicas e motoras do paciente de 2 em 2 horas.

Fonte: Bionext

1 COMENTÁRIO

  1. Muito boas as informações. Muitas pessoas nem sabem deste tipo de informações gostei. E talvez tenham pessoas próximas estão precisando e nem sabem como proceder.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here